Skip to main content

A GlobalEnglish é destaque no Meio e Mensagem

A GlobalEnglish e este amigo vendedor caipira foram destaque na mais importante Revista dedicada ao mundo da Publicidade e Comunicação do País, a Meio & Mensagem. A reportagem aborda o quanto o baixo nível de proficiência em Inglês dos profissionais brasileiros impacta negativamente na indústria local de comunicação, mídia e entretenimento.

E para você que tanto me honra com seu prestígio e confiança, vai mais uma dica de ouro: falar Inglês faz bem para você, faz bem para a sua carreira e faz bem para a sua Empresa, que se torna muito mais competitiva neste mundo recheado de boas oportunidades! Think about it and make it happen!

O ‘bad english’ do mercado brasileiro

Pesquisa aponta baixo nível de proficiência entre profissionais da indústria brasileira de comunicação, mídia e entretenimento

EDUARDO DUARTE ZANELATO| »

23 de Julho de 2013  12:17

Ferrari Filho: inglês ruim não inviabiliza negócios, mas complica o dia-a-dia

Ferrari Filho: inglês ruim não inviabiliza negócios, mas complica o dia-a-dia
Crédito: Arthur Nobre

Uma pesquisa recente da rede de idiomas Global English (pertencente ao conglomerado educacional Pearson) mostra que o nível de inglês do profissional brasileiro da indústria de comunicação, mídia e entretenimento está entre os piores na comparação com outros setores – o de engenharia figura em primeiro (veja quadro abaixo). Lá no fundão, a turma de comunicação só ganha mesmo de membros de organizações não governamentais e órgãos públicos.

Realizada com empresas de 78 países, o Business English Index 2013 posicionou o Brasil em 71° da lista, com uma nota média de 3,27 (numa escala de zero a dez). Profissionais brasileiros de mídia, comunicação e entretenimento obtiveram média de 3,20. É preciso considerar, no entanto, que a pesquisa ouviu apenas empresas que precisam que seus funcionários melhorem o inglês. “O desempenho brasileiro está muito aquém do que se espera de um país dessa importância no cenário global”, pondera José Ricardo Noronha, diretor da Global English.

O baixo nível de proficiência apontado pela rede chama a atenção num mercado tão afeito a expressões como job, briefing, brainstorm e board. “Eu não diria que o inglês ruim nos impeça de fazer negócios, mas atrapalha. Se você não tem um bom entendimento complica, porque o negócio em si já é bem específico”, afirma Rino Ferrari Filho, sócio-presidente da Rino e diretor regional para a América Latina da Icom, rede global de agências independentes.

Nos encontros anuais da rede – o último foi realizado em São Paulo, em abril passado, e contou com líderes de agências de 16 países, entre os quais Zâmbia, Taiwan e Estônia -, é preciso ignorar os sotaques e as dificuldades dos interlocutores. Ele reitera, no entanto, que o inglês é tratado como língua oficial da rede e o domínio do idioma conta na hora de selecionar uma agência independente para integrar o Icom. “Os estonianos falam muito bem”, revela, sobre a reunião de abril passado. Os profissionais de países asiáticos apresentavam, naquela ocasião, os sotaques mais sofríveis.

A íntegra desta reportagem está publicada na edição 1569, de 22 de julho, exclusivamente para assinantes, disponível nas versões impressa e para tablets do Meio & Mensagem.

 Meio & Mesagem_22.07.13

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Vai Continuar
Torrando Dinheiro com
Treinamentos e Palestras?

Baixe agora o eBook rápido de alto impacto com
5 dicas preciosas para não torrar dinheiro com
treinamentos desconectados da sua realidade.

Você está a UM PASSO de baixar
seu exemplar do eBook!

Deixe seu nome e seu melhor e-mail
para receber o link de download.